Presente | Present

Estás Vendo Coisas

Artistas Bárbara Wagner / Benjamin de Burca
Curadoria Rayne Booth
Inauguração 16/01/2020 18:00
Data De 17/01/2020 a 12/04/2020
Sobre a exposição

As Galerias Municipais de Lisboa têm o prazer de apresentar Estás Vendo Coisas, a primeira exposição individual no nosso país da dupla de artistas Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, residentes no Brasil. A presente exposição convida a conhecer o seu trabalho recente com imagem em movimento através de duas vídeo-instalações, as quais envolveram a colaboração com grupos de performers e artistas de diferentes origens e exploram o modo como as expressões da cultura popular respondem às condições socioeconómicas.

Wagner & de Burca desenvolveram uma prática centrada no trabalho com grupos de artistas envolvidos em diferentes géneros de dança, música e outras formas de autoexpressão. No caso desta exposição, as obras focam-se na música brega do norte do Brasil (Estás Vendo Coisas, 16’, Brasil, 2016) e na poesia spoken word em Toronto, Canadá (RISE, 21’, Canadá/EUA/Brasil, 2018). Em anos recentes, os artistas trabalharam igualmente com cantores evangélicos, músicos de schlager, na Alemanha, e dançarinos de frevo e swingueira, no Brasil. Focam-se na criação de obras de imagem em movimento que existem na interseção entre as belas-artes e a cultura popular, o documentário e a ficção. Em oposição à ideia de «dar voz» a um grupo particular de indivíduos, Wagner & de Burca guiam-se pelas ideias e o trabalho dos grupos com que colaboram.

O primeiro dos dois filmes, RISE, é apresentado no piso térreo da Galeria Boavista. O título faz referência ao acrónimo de «Reaching Intelligent Souls Everywhere», nome de um grupo de artistas spoken word com que Wagner & de Burca colaboraram em 2018. O filme apresenta o trabalho dos membros do R.I.S.E., e foi rodado numa nova extensão do metro de Toronto que liga as periferias ao centro da cidade.  Os protagonistas do filme são canadianos de primeira e segunda geração, sobretudo de ascendência africana e caribenha, que usam o spoken word e a música para exprimir sentimentos complexos relativamente à sociedade em que habitam e ao seu lugar na mesma. Wagner & de Burca trabalharam com este grupo usando uma abordagem de colaboração e agenciamento. Os performers têm controlo total sobre a forma como são apresentados e compreendem de forma mais abrangente como o trabalho será disseminado. Captando momentos transcendentais do trabalho dos poetas, a lente de Wagner & de Burca permanece um observador, procurando compreender e questionar aquilo que regista.  Através desta abordagem, o filme resultante torna-se uma obra de arte independente que, de certa forma, desafia categorizações fáceis.

No andar de cima, a obra Estás Vendo Coisas vai mais além no esbatimento da linha que separa factos e ficção. Os protagonistas (Dayana, uma bombeira, e Porck, um cabeleireiro) imaginam uma realidade alternativa através do seu trabalho como cantores de brega numa discoteca. O brega é uma forma de música popular do Nordeste brasileiro, uma fusão de hip hop americano, techno brasileiro e reggaeton caribenho.  Esta obra examina o modo como a música popular se torna numa forma de trabalho alternativa e num escape relativamente às condições socioeconómicas que definem os artistas. Mais uma vez, testemunhamos um forte sentimento de controlo por parte dos protagonistas sobre como serão retratados, bem como um profundo conhecimento e compreensão de como podem apresentar a sua imagem no âmbito dos tropos da sua forma de arte específica.

A exposição Estás Vendo Coisas convida-nos a estabelecer comparações entre duas comunidades díspares em duas partes diferentes do mundo. O que une os protagonistas destes filmes é um forte desejo de crescimento e desenvolvimento no seu trabalho artístico e nas suas vidas, bem como a convicção de que, através da criatividade, podem transcender o seu meio envolvente e alcançar as suas metas. Wagner & de Burca apresentam estas colaborações como instantâneos do potencial humano que existe à nossa volta, embora muitas vezes não chegue a ser reconhecido.

 

 

ENG

The Municipal Galleries of Lisbon are pleased to present Estás Vendo Coisas, the first solo show by the Brazilian based artist duo Bárbara Wagner and Benjamin de Burca in Portugal. Comprised of two film installations, the exhibition showcases recent moving image works, both involving collaboration with groups of performers and artists from diverse backgrounds, and looking at how popular cultural expressions respond to socio economic conditions.

Wagner & de Burca have developed a practice centred on working with groups of artists performing within distinct genres of dance, music and other forms of self expression. In the case of this exhibition, the works focus on Brega music in northern Brazil (Estás Vendo Coisas, 16’, Brazil, 2016) and spoken word poetry in Toronto, Canada (RISE, 21’, Canada/USA/Brazil,2018). In recent years, the artists have also worked with Evangelical singers, Schlager music performers in Germany, Frevo and Swingueira dancers in Brazil. They focus on creating moving image work which exists at the intersection of fine art and popular culture, documentary and fiction. In opposition to the idea of ‘giving voice’ to a particular group of people, Wagner & de Burca are lead by the ideas and work of the groups with whom they collaborate.

The first of the two films, ‘RISE’, is presented on the ground floor of Galeria Boavista. The title refers to the acronym for “Reaching intelligent souls everywhere”, which is the name of a group of spoken word artists with whom Wagner & de Burca collaborated in 2018. The film presents the work of members of the R.I.S.E. group, and was shot in a new subway extension in Toronto which connects the peripheries of the city with the centre.  The protagonists of the film are first and second generation Canadians, mainly of African and Caribbean descent, who voice complex feelings about their society and their place within it through their spoken word and music. Wagner & de Burca have worked with this group using an approach of collaboration and agency. These performers are fully in control of how they are presented and aware of the wider context of how the work will be disseminated. Capturing transcendental moments in the work of the poets, Wagner &de Burca’s lens remains an observer, seeking to understand and question what it records.  Through this approach, the resulting film becomes an independent artwork which somehow defies easy categorisations.

Upstairs, the work Estás Vendo Coisas goes further towards blurring the lines between fact and fiction. The protagonists, Dayana, a firefighter, and Porck, a hairdresser, imagine an alternative reality for themselves through their work as nightclub Brega singers. Brega is a form of Brazilian music popular in the Northeast of the country,  a fusion of American Hip Hop, Brazilian Techno and Caribbean Reggaeton.  This work examines how pop music becomes an alternative form of labour and an escape from the socioeconomic conditions that define the performers. Once again we see the strong sense of control from the protagonists over how they will be portrayed and a deep knowledge and understanding of how they can present their own image within the tropes of their particular artform.

The exhibition Estás Vendo Coisas invites us to make comparisons between two disparate communities in two different parts of the world. What unites the protagonists of these films is the strong desire for growth and development in their artistic work and in their lives; a sense that through their creativity they can transcend their surroundings and reach their goals. Wagner & de Burca present these collaborations as a snapshot of the human potential that exists all around us, but can often remain unrecognised.

 

 

 

Biografia

.

Mediação

 

SWINGUERRA

Brasil, 21´, 2019

Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

 17 janeiro >  19h > Cinema São Jorge

 

No âmbito da primeira exposição individual em Portugal da dupla de artistas Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, Estás Vendo Coisas, patente na Galeria da Boavista, será apresentada uma sessão do filme Swinguerra (2019), comissariado para ser apresentado no Pavilhão do Brasil da 58ª Bienal de Veneza. O título do filme apropria-se do termo “swingueira” – um movimento de dança popular no Noroeste brasileiro – mas com um ligeiro trocadilho que faz com que a palavra termine em “guerra”. Swinguerra foca-se em três estilos de dança distintos da periferia de Recife: “swingueira”, “brega funk” e “passinho da maloca”, representados respetivamente pelos grupos de dança Cia. Extremo, Grupo La Máfia e Bonde do Passinho/As do Passinho S.A. A sessão de Swinguerra contam com a presença de Benjamin de Buca e decorre no Cinema São Jorge no dia 17 de janeiro às 19h, com entrada livre sujeita à lotação da sala, devendo os bilhetes ser levantados na bilheteira do Cinema São Jorge no próprio dia a partir das 13h do próprio dia.

No final da sessão haverá uma conversa com Benjamin de Burca e Tobi Maier, diretor das Galerias Municipais.

 

ENG

SWINGUERRA

Brazil, 21´, 2019

Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

 January, 17 >  7pm > Cinema São Jorge

 

Swinguerra, a new film commissioned for the Pavilion of Brazil for the 58th Venice Biennale, takes its title from swingueira, a popular dance movement in the Northeast of Brazil, but with a slight spelling twist that makes the word end  in guerra, meaning war. Wagner & de Burca’s work delves into expressions of popular culture in contemporary Brazil, and their complex relationship to race, gender, identity, conflict, and desire. The artists work collaboratively with the performers, deciding all aspects of the final work collectively. Their extensive research process takes them into the heart of communities that are often considered “marginal,” where they observe the intense discipline involved in collective dance competitions. Swinguerra focuses on three distinct dance styles from the periphery of Recife, swingueira, brega funk and passinho da maloca, represented by the dance groups Cia. Extremo, Grupo La Máfia, and Bonde do Passinho/As do Passinho S.A.

This screening of Swinguerra (2019, 23 mins) will be attended by Benjamin de Burca and will take place at Cinema São Jorge on January 17th at 7pm, with free admission and subject to availability. Tickets must be picked up at the Cinema São Jorge box office on the same day from 1pm. Following the screening, we will host a conversation between Benjamin de Burca, the curator Rayne Booth and Tobi Maier, director of the Municipal Galleries

Estás Vendo Coisas, vídeo still
Estás Vendo Coisas, vídeo still

Vista de instalação / Installation View

Vista de instalação / Installation View

Vista de instalação / Installation View

Estás Vendo Coisas, vídeo still

Estás Vendo Coisas, vídeo still

Estás Vendo Coisas, vídeo still

Estás Vendo Coisas, vídeo still

Estás Vendo Coisas, vídeo still