Potência e Adversidade: Arte da América Latina nas Coleções em Portugal

Catálogo que documenta a exposição Potência e Adversidade: Arte da América Latina nas Coleções em Portugal, com a curadoria de Marta Mestre, dividida entre o Pavilhão Branco (Galerias Municipais de Lisboa) e o Pavilhão Preto (Museu de Lisboa), e que esteve patente entre 12 de novembro de 2017 e 7 de janeiro de 2018. Para além da documentação fotográfica das obras expostas em ambos os núcleos expositivos, contém textos de enquadramento da iniciativa de Catarina Vaz Pinto, Joana Gomes Cardoso e António Pinto Ribeiro, um ensaio da curadora Marta Mestre, um texto de Cildo Meireles e um poema-manifesto de Pedro Barateiro.

“Ao diálogo proposto pelo coordenador geral da programação no âmbito da Capital Ibero-americana de Cultura de 2017, António Pinto Ribeiro, juntou-se o olhar da curadora da exposição, Marta Mestre, que selecionou mais de 80 obras de artistas de diferentes países para apresentar a multiplicidade de caminhos formulados e as diferentes visões artísticas sobre as realidades sociais e políticas de finais do século XX, maradas por muitos governos repressivos.”

– Catarina Vaz Pinto

“A exposição Potência e Adversidade – Arte da América Latina nas Coleções em Portugal torna também acessível ao grande público coleções particulares, até aqui desconhecidas, fomentando novas zonas de cooperação interinstitucional e de partilha de memória comum.”

– Joana Gomes Cardoso

“A selecção define também o gosto dos coleccionadores, os seus conhecimentos ou desconhecimentos sobre a criação artística nas cidades envolvidas, a curta história da relação entre as instituições portuguesas e latino-americanas, no que às artes dizem respeito e, até, se pode afirmar que, a partir desta exposição, se pode fazer uma história das mentalidades.”

– António Pinto Ribeiro

“Neste contexto, o primeiro cuidado da curadoria consistiu em ressaltar um ângulo histórico que ainda passa à margem das narrativas mais institucionalizadas sobre a América Latina em Portugal. Afasta-se da problemática do “multiculturalismo” e da “interculturalidade”, e procura recentrar o debate a partir das relações entre arte e política dos denominados “conceitualismos do Sul” e seus desdobramentos hoje.”

– Marta Mestre

“Quero algum dia que cada trabalho seja visto não como um objeto de elucubrações esterilizadas, mas como marcos, como recordações e evocações de conquistas reais e visíveis. E que quando ouvirem a história desse oeste estejam ouvindo lendas e fábulas fantásticas. Porque o povo cuja história são lendas e fábulas é um povo feliz.”

– Cildo Meireles

“This story happened in a country that only sees itself in the dark. It is for this reason that the country isn’t indicated on geographical maps: because one can’t see maps in the dark. In this country, they live with their eyes closed in the midst of magical precipices.”

– Pedro Barateiro

ler mais
ler menos

Exposição Relacionada

Data
Título
Artistas
Curadoria
Galeria
12.11.2017
– 07.01.2018
Potência e Adversidade: Arte da América Latina nas Coleções em Portugal
Ana Mendieta, Ângelo de Sousa, Anna Maria Maiolino, Antoni Muntadas, Antonio Dias, Artur Barrio, Cildo Meireles, Hélio Oiticica, Horacio Zabala, Lydia Okumura. Albino Braz, Ana Maria Tavares, Analia Saban, André Komatsu, Carmela Gross, Damián Ortega, Detanico & Lain, Emmanuel Nassar, Eugenio Dittborn, Gabriel Orozco, Gabriel Sierra, Ignasi Aballí, Iran do Espírito Santo, Jac Leirner, Juan Araújo, Juan Munõz, Leonor Antunes, Letícia Ramos, Lothar Baumgarten, Magdalena Jitrik, Manuel Álvarez Bravo, Manuel Ocampo, Marepe, Mauro Restiffe, Nelson Félix, Nicolás Robbio, Paulo Nazareth, Raimundo Camilo, Rosângela Rennó, Tamar Guimarães, Tunga, Waltércio Caldas
Marta Mestre
Pavilhão Branco