Considerações na sequência de “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada (Lisboa, 2021)”

Tobi Maier (Galerias Municipais)

exposicao coletiva para um unico corpo a composicao privada galerias municipais

Após a sua ativação em Leuven (Bélgica) e em Paris, a “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada” esteve patente de 16 de setembro a 24 de outubro de 2021 nas Galerias Municipais – Galeria Quadrum, em Lisboa.

Curadoria: Pierre Bal-Blanc

Coreografia: Manuel Pelmuş

Performers: Jack Hauser, Luiza da Silva Gabriel, João dos Santos Martins, Adriano Vicente

Com obras e performances de: Milan Adamčiak, Geta Brătescu, Anna Daučíková, Josef Dabernig, VALIE EXPORT, Stano Filko, Tomislav Gotovac, Sanja Iveković, Anna Jermolaewa, Július Koller, Jiří Kovanda, Katalin Ladik, Simon Leung, Dóra Maurer, Karel Miler, Paul Neagu, Manuel Pelmuş, Petr Štembera, Mladen Stilinović, Sven Stilinović, Slaven Tolj, Goran Trbuljak, Artur Żmijewske uma curta-metragem no Haus Wittgenstein em Viena de Pierre Bal-Blanc, onde foi apresentada a primeira “Exposição Colectiva para um Corpo Único” em 2019.

Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada” foi encomendada pela Coleção Kontakt e co-produzida pela Tanzquartier Wien.

 

À medida que as instituições de arte contemporânea procuram diversificar a sua programação e reduzir a sua pegada de carbono, temos vindo a tomar cada vez mais consciência das oportunidades que as encenações e reinterpretações das ações históricas dos artistas trazem, mesmo que em tempos tenham sido concebidas efemeramente. Embora transitória na sua conceção, a noção de agenciamento tem sido particularmente forte no domínio da arte performativa que pode ser decretada como um meio de rutura das nossas rotinas quotidianas. Numa era de antropoceno, turbulência ideológica, e uma pandemia global, estamos forçosamente conscientes de que as nossas ações não estão meramente ligadas por considerações pessoais e/ou estéticas. Trabalhando a partir de uma instituição pública como as Galerias Municipais de Lisboa, seria um sinal de ignorância acreditar que a nossa plataforma, por falta de uma palavra melhor, existe num vazio. Assim, este pequeno texto não se limita a tentar introduzir a iteração da “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada” em Lisboa, mas é também uma tentativa de ligar este projeto ao contexto local, bem como ao programa das Galerias Municipais em geral e à exposição subsequente que celebra o centenário do artista, cineasta, crítico de arte e curador Ernesto de Sousa em particular. (“Ernesto de Sousa, Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos”, 27 de novembro 2021–27 de fevereiro 2022).

O que significa apresentar documentação de performances efémeras no domínio público que foram realizadas em distâncias geográficas de milhares de quilómetros no outro lado da Europa e numa distância histórica de até 50 anos ou mais? Porque é importante confrontar tanto os artistas como o público com os gestos de Július Koller, Jiří Kovanda, Sanja Iveković, Valie Export ou Mladen Stilinović e outros aqui em Portugal hoje? Há aqui uma miríade de raciocínios em ação. Primeiro houve uma analogia sócio-política entre as duas regiões geográficas que esteve ausente de uma reavaliação histórica, bem como de uma programação em instituições locais. Se Portugal foi governado pela ditadura do Estado Novo até 1974, até que a Revolução dos Cravos derrubou o regime fascista, o clima de opressão continuou a ser sentido durante os anos da Guerra Fria no antigo Bloco de Leste até à queda da Cortina de Ferro que começou em 1989. Em ambas as regiões o regime censurou a imprensa e montou um aparelho de repressão que limitava a liberdade de movimento e de expressão no espaço público.

O artista, cineasta e curador Ernesto de Sousa introduziu o advento da prática performativa e processual com a organização do 1.º encontro da Oficina Experimental e o subsequente Encontro no Guincho, com um piquenique na Rinchoa, em 1969. O programa incluía o transporte de um objeto de Noronha da Costa para a praia do Guincho, a sua destruição a tiro, e o registo destas ações para um filme.[1] O advento da prática da arte conceptual que poderia criar uma interferência com o status quo foi ainda mais ampliado com o seu regresso a Lisboa com um conjunto de slides e o catálogo da documenta 5 de Harald Szeemann, em 1972, que ele apresentou aos seus pares. No mesmo ano, Ernesto de Sousa organizou a exposição “Do Vazio à Pró Vocação”, como parte da Expo AICA 72 na Sociedade Nacional de Belas Artes e dois anos mais tarde “Projectos-Ideias”, no mesmo local. Demoraria mais três anos a organizar a “Alternativa Zero” (1977) na Galeria Nacional de Arte Moderna em Belém, considerada por muitos como a primeira convenção de prática conceptual na sequência da Revolução de Abril de 1974 e para a qual Ernesto de Sousa introduziu o termo “operador estético”. Na sua carta de convite aos operadores estéticos declarou que “le public sera l’auteur réel” (o público será o verdadeiro autor) acrescentando com um selo que “All Your Mail And Documentatio[n] Will Be Exhibited A”).[2] Assim, poder-se-ia presumir que talvez outras ações subversivas pudessem ter predominado nas práticas artísticas daquela altura. No entanto, se a arte postal, por exemplo, foi vital para transcender as fronteiras na América do Sul ou da Europa de Leste durante a segunda metade do século XX, a tradição de arte postal surgiu apenas ocasionalmente nas gerações de artistas a trabalhar nos anos 70 e 80. Era sobretudo a organização de exposições que estava a abrir caminho para que a arte de vanguarda fosse produzida e colocada em relação social com os seus públicos em Portugal.

O contacto com os vizinhos da Europa de Leste tem sido historicamente bastante esporádico. No entanto, os trabalhos de artistas da Europa de Leste raramente são exibidos em museus ou galerias privadas de Portugal. No âmbito cultural, as cidades geminadas de Lisboa e Budapeste organizam um programa de intercâmbio artístico (exposições de artistas portugueses regressados de Budapeste tiveram lugar nas Galerias Municipais – Galeria Quadrum entre 2013 e 2016 e foram acompanhados por uma publicação). Os projetos de arte contemporânea que aqui introduzem o legado da produção artística da Europa de Leste são da maior importância, uma vez que proporcionam ao público — de outra forma propenso à incredulidade — uma compreensão das realidades sócio-políticas que de outra forma permanecem bastante distantes. Desde os anos de 1990, chegam a Portugal trabalhadores da Europa de Leste e Ásia Oriental que têm vindo a oferecer os seus serviços em áreas como a construção e a agricultura, experimentando frequentemente condições de trabalho exploradoras. Ou pior. Quando o Sr. Homeniuk, cidadão ucraniano, chegou ao Aeroporto Humberto Delgado em Lisboa, em março de 2020, os funcionários da imigração do país torturaram-no, causando a sua morte, o que os levou à prisão e impeliu o parlamento a votar a dissolução do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O tema da migração forçada foi também abordado no guião performativo organizado por Pierre Bal-Blanc para a “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada (Lisboa, 2021)” nas Galerias Municipais – Galeria Quadrum. O filme Research for Sleeping Positions (2006) de Anna Jermolaewa refere-se à estação ferroviária principal de Viena como o centro de entrada para migrantes da Europa Central e Oriental. Sem um lugar para ir, um simples banco proporciona um conforto mínimo à chegada. A tensão da deslocação e os sacrifícios e humilhações sofridos durante a migração vêm à tona no filme mudo de Artur Żmijeswki Glimpse / Spojrzenie (2016-17) para o qual o artista visitou e retratou migrantes do continente africano em campos improvisados em Paris e Calais. Poderá o encontro com os refugiados aqui sensibilizar o espectador para tratamentos humanos, compreensivos e gentis? Enquanto escrevo no meu gabinete, as noticias relatam que foi negado o acesso a água aos migrantes na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia pela patrulha policial.[3]

Ouço o Requiem de Mozart em Ré menor, KV. 626, na banda sonora do vídeo de Pierre Bal-Blanc “Collective Exhibition for a Single Body – The Private Score” (2019) — gravado na Haus Wittgenstein, em Viena — que se espalha da galeria próxima. A sua melodia só é derrubada pelo ruído dos aviões que descolam do vizinho aeroporto de Lisboa. Ao sair do escritório, assisto a Jack Hauser, Luiza da Silva Gabriel, João dos Santos Martins ou Adriano Vicente executando gestos do repertório da “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada (Lisboa, 2021)” (“repertório”, aqui, refere-se às diferentes performances reativadas na Private Score, entre os muitos trabalhos documentados na exposição). Destaca-se o Horizontal Man (U.F.O.), South Bohemian Mimesis (1981) de Július Koller. Koller começou a utilizar as cartas de U.F.O. em 1970 para descrever as “situações culturais” e ainda “originalmente usou as iniciais [UFO] para significar [Universal-Cultural Futurological Operations] ‘Operações Futurológicas Culturais Universais’ mas criou muitas variações: o ‘U’ significou ‘universal’ ou ‘universal-cultural’; o ‘F’ tornou-se ‘futurológico’, ‘fantástico’, ‘funcional’ ou ‘fictício’; e o ‘O’ significou ‘objeto’, ‘ponto de interrogação’ (‘otaznik’ em eslovaco) ou ‘revivalie’ (‘ozivenie’ em eslovaco)”.[4] O performer está de pé, direito, apontando uma mão para o chão e a outra para o céu, questionando assim simultaneamente o status quo do local em que se encontra e o potencial do universo circundante. Na reinterpretação da obra HAPPSOC IV, Travel in Space (1967) de Stano Filko, vemos o performer a recriar uma postura de foguetão num canto entre o edifício de escritórios e a parede do jardim dentro do Complexo dos Coruchéus, como se ele/ela fosse descolar a qualquer segundo para outro universo. Sinto-me dominado pela noção de trânsito articulado de imediato, através das obras de arte na exposição da galeria, das atuações e dos meios de comunicação digitais no ecrã do meu computador.

Decorrendo do contexto histórico dos antigos países socialistas da Europa, as performances reencenadas em Lisboa sinalizam — entre outras questões — o movimento entre territórios e o policiamento do espaço público. As suas recriações foram originalmente planeadas para terem lugar numa rua do centro de Lisboa, a Rua do Poço dos Negros. Transferidas para as proximidades da galeria devido às medidas de contenção da Covid-19, as performances encaram o público da galeria, bem como os outros utilizadores do complexo modernista dos Coruchéus, tais como artistas a caminho dos estúdios e pessoas que frequentam a esplanada do quiosque-cafetaria ou a biblioteca pública.[5]

Se o curador Pierre Bal-Blanc decidiu originalmente a realizar as performances da “Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada (Lisboa, 2021)” na Rua do Poço dos Negros, fê-lo porque planeou referir-se à zona como cemitério para vítimas escravizadas na era das pandemias do século XVI e assim contribuir para uma narrativa descolonizante. O visitante da galeria é agora confrontado com um conjunto de gestos articulando ruturas e pausas de rotinas quotidianas em estreita analogia com a documentação das performances originais, aproximando-nos de noções de isolamento, supervisão política, mas também de expansão colonial portuguesa, por um lado, e migração (problemática que não é estranha ao povo português, que emigrou para França, ou para os Estados Unidos, e noutros locais por diferentes razões, incluindo o exílio político durante o Estado Novo, a guerra colonial, baixos níveis de prosperidade económica ou graves crises financeiras). Assim, o projeto de Bal-Blanc afirma mais uma vez que a curadoria não é um empreendimento meramente formal, ou que se realiza no vácuo. A escolha do local e a enunciação da exposição coletiva, amplificada através de uma sequência de recriações performativas neste local, desencadeia múltiplas referências ligadas à migração global.

Se quisermos prestar homenagem a Ernesto de Sousa no seu centenário na Galeria Quadrum, no seguimento de “The Private Score”, então estaremos também a rever o seu trabalho frequentemente colaborativo através da lente de uma geração de artistas mais jovens. A prática de vanguarda de Ernesto e dos seus pares ressoou frequentemente nas exposições organizadas na Galeria Quadrum. Abriu caminhos para a arte portuguesa comunicar internacionalmente, tal como a programação da Quadrum fez sob os auspícios da sua fundadora Dulce d’Agro e continua a fazê-lo até ao presente. A arte apresentada aqui testemunha um desejo de descoberta, esforça-se por fazê-lo pacificamente, respeitosamente e para lá dos limites das fronteiras criadas pelo homem ou dos limites da comunicação.

Tobi Maier é diretor das Galerias Municipais de Lisboa.

 

[1] OEI #80/81, The Zero Alternative, 2018, p. 7.

[2] Document from Isabel Alves collection / Estate of Ernesto de Sousa reproduced in OEI #80/81, The Zero Alternative, 2018, p. 23.

[3] Semanas mais tarde, a 24 de novembro 2021, 27 migrantes afogam-se num trágico naufrágio, depois de terem partido de Calais para o Reino Unido.

[4] Veja-se também: https://www.tate.org.uk/art/artworks/koller-u-f-o-universal-fantastic-occupation-t12436, último acesso em 2 de outubro, 2021 (traduzido para PT).

[5] A arquitetura deste complexo deriva dos últimos anos do Estado Novo, foi concebida por Fernando Peres Guimarães e as instalações inauguradas em 1971 (a Galeria Quadrum abre dois anos mais tarde num dos espaços térreos, originalmente concebido como refeitório). A biblioteca pública funciona no Palácio dos Coruchéus, edifício que remonta ao século XVIII.

Exposição Relacionada

Data
Título
Artistas
Curadoria
Galeria
16.09.2021
– 24.10.2021
Exposição Coletiva para um Único Corpo — A Composição Privada (Lisboa, 2021)
Milan Adamčiak, Geta Brătescu, Josef Dabernig, Anna Daučíková, VALIE EXPORT, Stano Filko, Tomislav Gotovac, Sanja Iveković, Anna Jermolaewa, Július Koller, Jiří Kovanda, Katalin Ladik, Simon Leung, Dóra Maurer, Karel Miler, Paul Neagu, Manuel Pelmuş, Petr Štembera, Mladen Stilinović, Sven Stilinović, Slaven Tolj, Goran Trbuljak, Artur Żmijewski
Pierre Bal-Blanc
Galeria Quadrum