Changing of Material Conditions

Karin Schneider

footnote a prototype galerias municipais scaled

Como parte da exposição Footnote 15: A Prototype, patente nas Galerias Municipais – Galeria da Boavista até 30 de abril, Karin Schneider da Union Gaucha Productions irá proferir uma palestra sobre a sua prática e experiências estéticas que nos ligam ao momento presente.

Existe uma responsabilidade ética/estética no ato de criar/sustentar/promover um sistema/uma obra/pensamento no contexto ao qual estamos vivendo. O nosso corpo está se dilacerando por várias razões e o modelo de arte do século XX já não nos produz um certo alívio porque é um modelo obsoleto. Que tipo de experiência estética que nos faz sentir conectados com o presente e com uma certa experiência de estarmos vivendo no mundo hoje? Certamente uma experiência que nos oferece mais uma sensação de fragmentação e descompasso, que expanda a nossa percepção para um lugar que ainda não conhecemos e que ainda não estamos acostumados. Como extrapolar a experiência estética sujeito/objeto e de uma sensação de contemplação e completude ideal, para uma experiência que também nos ofereça uma sensação de repensar o lugar que ocupamos no mundo, e desde uma sensação de estar fora de lugar…, o que seria a criação de uma experiência estética diagramática? Parece que é desse lugar que nós temos que articular pensamentos/obras. É sobre esse espaço que Karin Schneider vai falar no dia 28 de Abril.

Karin Schneider é uma artista, professora e cineasta brasileira radicada em Nova York. A sua prática se realiza na criação de diferentes sistemas. Schneider pensa a condição de um artista como um ser intrinsecamente coletivo. Em 1997, Schneider co-fundou a Union Gaucha Productions (UGP), uma companhia de cinema experimental pensada para realizar colaborações interdisciplinares com profissionais de diferentes áreas. De 2005 a 2008, ela foi membro fundadora da Orchard Gallery, uma galeria organizada cooperativamente por um grupo de artistas no Lower East Side de Nova York. De 2010 a 2014, Schneider co-fundou Cage, um espaço que facilitou práticas de “negação“ por meio do constante rearranjo das interações sociais. Em 2019, junto com um grupo de pessoas, ela co-fundou Ortvi, uma plataforma online para artistas e programadores que trabalham com práticas de “time-based media.” Schneider é crítica na Escola de Arte de Yale desde 2018, e também ensina no CCS Bard College.

ler mais
ler menos

Exposição Relacionada

Data
Título
Artistas
Curadoria
Galeria
19.02.2022
– 30.04.2022
Footnote 15: A Prototype
Ana Cardoso, Union Gaucha Productions (Karin Schneider and Nicolás Guagnini), Eileen Quinlan, Jorge Pinheiro, Igor Krenz, Józef Robakowski, Monika Sosnowska, Tomás Cunha Ferreira
Barbara Piwowarska
Galeria da Boavista